• Flavia Andrade

Cidades do interior empossam vereadores no Executivo, com eleição sub judice


(Foto: Divulgação/Prefeitura de Sidrolândia)

Quatro cidades estão aguardando decisão da Justiça Eleitoral para definir o líder do Executivo


O Tribunal Superior Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TSE-MS) precisa decidir o destino de quatro cidades do interior onde os mais votados para prefeito dependem de ações sub judice para assumirem. Os municípios tiveram empossados vereadores eleitos presidentes da Câmara Municipal em Angélica, Bandeirantes, Sidrolândia e Paranhos


Caso a decisão do TSE seja o indeferimento das eleições 2020, serão convocadas novas eleições. Com isso, os vereadores eleitos tomaram posse, elegeram a mesa diretora e os presidentes das respectivas Casa de Leis, que, na seqüência, empossaram os interinos.


Na cidade de Angélica, houve chapa única para o comando da Câmara Municipal. Segundo o Portal Angélica, o vereador Aparecido Geraldo Rodrigues (PSDB), o Boquinha, foi eleito presidente e empossado prefeito. O mandato vale enquanto o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não decide o destino de João Cassuci (PDT).


Barrado pela Lei da Ficha Limpa, o ex-prefeito, Cassuci, foi o mais votado para comandar Angélica. O político encontra-se inelegível após condenação por prática de crime contra o sistema financeiro nacional. No processo, ficou comprovada a obtenção ilegal de financiamentos do Pronaf (Programa Nacional de Agricultura Familiar) mediante fraude e cadastros falsos.


Já no município de Bandeirantes, o candidato com maior número de votos foi Álvaro Urt (DEM) na corrida pela prefeitura. Também alvo de operação do Ministério Público, teve bens bloqueados e ainda foi cassado do cargo de prefeito pela Câmara Municipal.


Ainda no aguardo da decisão do TSE, com o resultado da eleição sub judice, o vereador Edervan Gustavo Sprotte (DEM) foi eleito presidente da Casa de Leis, liderando a chapa União e Renovação. Sendo empossado prefeito interino.


Paranhos também aguarda o resultado sub judice, onde o mais votado foi o candidato Heliomar Klabunde (MDB) na corrida pela prefeitura. O resultado segue sub judice por problema no registro da candidatura. Sem prefeito, o presidente da Câmara, dando posse a Donizete Aparecio Viario na condição de interino.


Em Sidrolândia, a vereadora mais votada nas urnas, Vanda Cristina Camilo (PP) venceu a disputa pela presidência da Câmara Municipal e, se tornou a primeira mulher a assumir o Poder Executivo.


O mais votado para prefeito na eleição de 15 de novembro foi Daltro Fiúza (MDB), mas ele foi barrado pela Lei da Ficha Limpa e aguarda julgamento de recurso no TSE.

0 visualização0 comentário