• Flavia Andrade

Como aproveitar os manejos nas propriedades para incrementar a sanidade dos bovinos?


(Foto: Divulgação)

*Por Reuel Luiz Gonçalves, médico-veterinário e Gerente Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó

Na maior parte do País, a vacinação preventiva contra febre aftosa nos bovinos com até dois anos de idade (24 meses) é realizada no mês de novembro. Até o final da campanha serão mais de 70 milhões de cabeças imunizadas. Concomitantemente, na maioria das fazendas, também se inicia a estação de monta (EM) das fêmeas bovinas em idade reprodutiva.

Aproveitando-se deste manejo vacinal, podemos e devemos associar outros manejos que ainda podem estar pendentes nos animais, tais como: a aplicação de vermífugos, suplementos minerais e vitamínicos injetáveis, outras vacinas etc. Ao adotar esta medida, é possível que os animais aproveitem de maneira plena o incremento das pastagens com a chegada do regime de chuvas e dos períodos de dia prolongados do verão.

Este uso racional da mão de obra pode e deve ser aproveitado, principalmente, para o manejo sanitário da fazenda com aplicação de vacinas clostridiais, antirrábicas em áreas endêmicas e reprodutivas nas fêmeas aptas, e o uso de antiparasitários conforme categorias e indicações do programa sanitário da propriedade.

As chuvas iniciaram-se no final de setembro/início de outubro e se consolidam agora no mês de novembro seguindo até o mês de março, dando fim ao chamado inverno seco. Neste período os animais entram em uma temporada ótima de pastagens, tanto em volume como em qualidade. É o momento de recuperar os animais da estiagem que assolou o Sul, o Sudeste e o Centro-Oeste do País e de promover o ganho de peso dos animais.

Com as chuvas, o aumento das temperaturas e o incremento das pastagens, outro desafio é o combate aos parasitas que espoliam os animais, sendo eles o carrapato, as moscas e principalmente as verminoses. Portanto, junto ao manejo vacinal devemos fazer o uso de antiparasitários, tanto internos como externos, mesmo nos animais de baixo desafio parasitário como zebuínos e animais adultos, onde a utilização do endoparasiticida (vermífugo) associado a um “Pour-On” ectoparasiticida é de grande importância.

Com a adoção de manejos conjuntos conseguiremos com que os animais manifestem todo seu potencial produtivo e reprodutivo, tanto para ganho de peso dos animais de engorda, como reprodutivo nas fêmeas aptas.

Atualmente, o maior desafio está em manter nos estados livres da obrigatoriedade do uso da vacina contra a febre aftosa, os manejos regulares de controle antiparasitário nos períodos considerados ótimos como na entrada da seca e/ou inverno meio e principalmente na entrada das águas.

Portanto, devemos aproveitar o manejo de curral no mês de novembro, pois é o momento de aferir como estão os animais, se a desmama está ganhando peso, se os bezerros do cedo (carimbo 8, 9 e 10) estão se desenvolvendo. Também é hora de organizar os lotes para IATF, promover os programas sanitários previstos e, resumidamente, cuidar da saúde total do rebanho.

Nestes manejos, cada categoria animal deve receber produtos conforme as necessidades e sensibilidade aos desafios. As categorias mais jovens (6 a 24 meses) são as mais sensíveis aos parasitas internos, os taurinos e seus cruzamentos são os mais sensíveis aos parasitas externos e, as categorias mais eradas (>24meses), tanto zebuínas como taurinas, são as que contaminam as pastagens.

Animais jovens devem receber produtos com maior período de ação, sendo o uso de endectocidas como as ivermectinas concentradas - Ivergen Platinum 3.15 - associado a um “Pour-On” parasiticida - Aciendel Plus PO - o recomendado. Nos animais de desmama ou sobreano podemos optar por uma Ivermectina LA ou mesmo concentrada - Ivergen Premium LA ou Ivergen Platinum 3.15 - ou ainda a Doramectina - Flok 1.1% - associado ao Aciendel Plus Pour-on. Nos animais adultos e de terminação, o recomendado é o uso do Fosfato de Levamisol - Biopersol Forte -, um endoparasiticida com ação imunomoduladora que promove a desverminação dos animais, auxiliando no ganho de peso, diminuindo a contaminação das pastagens e ainda melhorando a imunidade dos mesmos.

Mas, atenção! Em casos de desafio intenso por ectoparasitas o controle deve ser realizado de forma assertiva, exigindo maior cuidado quanto aos medicamentos utilizados, doses e datas das aplicações. Por isso, a importância da avaliação das categorias antes dos manejos é essencial, pois é preciso conhecer o desafio e direcionar o controle e tratamento de forma eficaz.

Em caso de dúvidas, consulte um coordenador técnico de pecuária da Biogénesis Bagó para lhe indicar os melhores produtos para seus animais.

5 visualizações0 comentário