• Flavia Andrade

Corumbá recebe documento oficializando o domínio do Parque de Piraputangas a Prefeitura

O contrato da cessão sobre a forma de utilização gratuita do Parque das Piraputangas para Corumbá foi assinado pelo superintendente do Patrimônio da União em Mato Grosso do Sul



O contrato da cessão sobre a forma de utilização gratuita do Parque das Piraputangas para Corumbá foi assinado pelo superintendente do Patrimônio da União em Mato Grosso do Sul (Renê Carneiro/PMC)

O Prefeito Marcelo Iunes e o superintendente da Superintendência do Patrimônio da União em Mato Grosso do Sul (SPU/MS), Luiz Ribeiro Rosa, realizaram a assinatura do contrato referente a cessão sobre forma de utilização gratuita do Parque de Piraputangas para o Município, nesta quarta-feira (03).


De acordo com o superintendente do SPU-MS, “O Parque Piraputangas é da União e o processo todo para sua regularização começou em 2003. Hoje, estamos assinando e passando oficialmente para domínio da prefeitura”, declara.


O Parque é uma Unidade de Conservação de 1.300 hectares e está localizado na região de Antônio Maria Coelho, próximos aos balneários. Conforme assessoria da Prefeitura de Corumbá, a sede do Parque Municipal de Piraputangas possui prédio com 177,17m² e foi erguido no mesmo local onde existia uma antiga estrutura, já em ruínas, que um dia serviu ao propósito de ser um espaço de apoio à unidade de conservação, criada pelo Decreto nº 078 de 2003. Essa sede serve como casa de apoio e de educação ambiental para a visitação. Estudos apontam que o parque abriga 94 espécies entre flora e fauna, com destaque para 39 plantas, 25 mamíferos e 13 répteis.


Em encontro também foi debatido sobre a regularização de áreas do Porto Geral, bem como sua operacionalização fluvial.


Ainda conforme o superintendente,“Discutimos um acordo para regularização da área da orla portuária. Precisamos regularizar documentalmente essa área, para passarmos à Prefeitura, para que o Município possa fazer o controle de embarque e desembarque, ter o controle turístico da área”, aponta.


Segundo o secretário Municipal de Governo, Cássio Augusto da Costa Marques, “O Município sempre teve interesse de regularizar essa situação. Desde 2012, foi feito um trabalho, o Projeto Orla, que identificou os principais problemas daquela região. Uma questão fundamental é da moradia, da ocupação dessas áreas e muitas delas estão em área da União. A União e o Município buscam regularizar essas áreas para regularizar a situação das pessoas que lá estão”,conclui.


Também participaram do encontro o secretário Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Ricardo Ametlla, e o servidor da SPU/MS, Carlos Pussoli.

3 visualizações0 comentário