• Flavia Andrade

Dicas de audiobooks narrados por famosos

Milton Gonçalves, Paulo Betti e Antonio Nobrega são alguns dos nomes que garantem ainda mais emoção a clássicos e novidades do mundo literário



O que fazer quando as suas mãos estão ocupadas, mas a sua mente está livre? Essa é uma das principais vantagens dos audiobooks, que transformam momentos entediantes em ócios criativos! Para que esse momento seja ainda mais especial, nada como contar com o talento de verdadeiros contadores de histórias. Por isso, a Auti Books selecionou dicas de obras narradas por grandes nomes da arte nacional.


Quanto mais drama, melhor. Assim são as obras do genial Nelson Rodrigues, autor de “A vida como ela é”, que chega à versão audiobook na voz do experiente ator Milton Gonçalves. Outra novidade é o “Auto da compadecida”, um clássico de Ariano Suassuna, narrado pelo também pernambucano, Antonio Nobrega, premiado artista e um dos ícones da cultura popular brasileira. Já Paulo Betti empresta a sua versatilidade e carisma para “O selvagem da ópera”, de Rubem Fonseca.


A lista de dicas da Auti Books ainda inclui audiobooks narrados por Taumaturgo Ferreira, Antonio Grassi e Cecil Thiré. Saiba mais sobre as obras e escolha quem será a sua companhia.


A vida como ela é – narrado por Milton Gonçalves


Em 1950, quando começou a publicar diariamente a coluna "A vida como ela é..." no periódico Última Hora, Nelson Rodrigues já havia passado pela redação dos jornais A Manhã, Crítica, Jornal dos Sports e O Globo. Também já havia deixado sua marca na história do teatro nacional, com a revolucionária montagem de Vestido de noiva, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, em 1943.


Encomendada por Samuel Wainer para seu jornal, a coluna estreou em 12 de junho de 1951 e tornou-se um grande sucesso em poucas semanas. Seus contos recriam alguns dos temas caros ao escritor: a fidelidade, o ciúme, a dualidade entre amor e sexo e a distância moral entre as antigas famílias do subúrbio do Rio de Janeiro e a nascente população de classe média e alta de Copacabana e arredores.


Em 1961, "A vida como ela é..." deixou as páginas do Última Hora e passou a ser publicada no Diário da Noite, de Assis Chateaubriand, no qual Nelson permaneceu por um curto período antes de retornar para O Globo, em 1962, dessa vez assinando a seção de esportes.


Autor: Nelson Rodrigues Editora: Nova Fronteira Narrador: Milton Gonçalves Duração: 02:02:01

Link: https://www.autibooks.com/a-vida-como-ela-e-nova-fronteira/p


Auto da compadecida – narrado por Antonio Nobrega


Auto da compadecida consegue o equilíbrio perfeito entre a tradição popular e a elaboração literária ao recriar para o teatro episódios registrados na tradição popular do cordel. É uma peça teatral em forma de Auto em 3 atos, escrita em 1955 pelo autor paraibano Ariano Suassuna. Sendo um drama do Nordeste brasileiro, mescla elementos como a tradição da literatura de cordel, a comédia, traços do barroco católico brasileiro e, ainda, cultura popular e tradições religiosas. Apresenta na escrita traços de linguagem oral [demonstrando, na fala do personagem, sua classe social] e apresenta também regionalismos relativos ao Nordeste. Esta peça projetou Suassuna em todo o país e foi considerada, em 1962, por Sábato Magaldi "o texto mais popular do moderno teatro brasileiro".


Autor: Ariano Suassuna Editora: Nova Fronteira Narrador: Antonio Nobrega Duração: 02:45:28

Link: https://www.autibooks.com/auto-da-compadecida-nova-fronteira/p


O selvagem da ópera – narrado por Paulo Betti


Romance, biografia, argumento cinematográfico, 'O selvagem da ópera' tem como protagonista o compositor Antônio Carlos Gomes, autor de O Guarani e de outras óperas hoje esquecidas, como a Fosca, Salvator Rosa, Maria Tudor e Lo Schiavo. Acompanhando sua trajetória em capítulos breves, Rubem Fonseca leva o leitor à segunda metade do século XIX, revelando desde os bastidores da Corte no Rio de Janeiro, na qual o jovem e talentoso músico ganha os favores do imperador-mecenas e de sua amante, a condessa de Barral, até sua conquista do mundo operístico italiano.


Autor: Rubem Fonseca Editora: Nova Fronteira Narrador: Paulo Betti Duração: 10:35:34

Link: https://www.autibooks.com/o-selvagem-da-opera-nova-fronteira



As melhores histórias de Andersen – narrado por Antonio Grassi


Quase 150 anos após sua morte, Hans Christian Andersen continua a encantar leitores de todas as idades. Com um estilo próprio, que foge muitas vezes das estruturas tradicionais dos contos de fadas e traz às narrativas um divertido tom de ironia, o escritor inspirou-se em casos contados pelo pai, durante a infância miserável na Dinamarca, e também naqueles ouvidos ao longo da vida.

Para esta coletânea, a escritora Luciana Sandroni selecionou algumas histórias: O patinho feio, O soldadinho de chumbo, O rouxinol e o imperador da China, A roupa nova do imperador e outros.


Autor: Hans Christian Andersen Editora: Nova Fronteira Narrador: Antonio Grassi Duração: 01:31:54

Link: https://www.autibooks.com/as-melhores-historias-de-andersen-nova-fronteira/p


O Príncipe – narrado por Taumaturgo Ferreira


Sob a atmosfera agitada da Renascença e dominado pela ideia da unidade italiana, Nicolau Maquiavel escreveu "O príncipe".

Na obra, que está entre as mais lidas da nossa literatura desde o século XVI, o autor tenta definir o poder, as formas de governo, as virtudes do soberano e uma nova ética do fazer político.

Refletindo as condições da época, o combate às tradições medievais e uma abordagem livre de fatos históricos, esta obra é parte preponderante no legado essencial que Maquiavel deixou para a ciência política.


Autor: Nicolau Maquiavel Editora: Nova Fronteira Narrador: Taumaturgo Ferreira Duração: 04:03:02

Link: https://www.autibooks.com/o-principe-nova-fronteira/p


O doente de Molière – narrado por Cecil Thiré


Cortesãs, nobres, artistas, padres e médicos, decadentes ou influentes, ninguém era poupado pela verve satírica de Molière, dramaturgo que Rubem Fonseca transforma em personagem neste romance. Autor de comédias clássicas como Escola de mulheres, Tartufo, D. Juan e O avarento, Molière morreu em 1673, logo após uma apresentação de O doente imaginário, sua última peça. A partir desse acontecimento real, Rubem Fonseca cria um personagem fictício, o marquês que escreve anonimamente O doente Molière. Amigo do grande autor e ele mesmo dramaturgo frustrado, o marquês utiliza seu conhecimento da corte do rei Luís XIV e dos salões da França do século XVII – em que convivia com Racine, Corneille, La Rochefoucauld e La Fontaine - para investigar a causa verdadeira da morte de Molière. Enquanto acompanhamos sua investigação, sua pena afiada descreve as intrigas, as traições e os crimes que serviram de inspiração para o grande autor e que seriam a causa de sua morte.


Autor: Rubem Fonseca Editora: Nova Fronteira Narrador: Cecil Thiré Duração: 02:48:53

Link: https://www.autibooks.com/o-doente-moliere-nova-fronteira/p


(** Com informações da Assessoria)

7 visualizações

067996110911

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram Social Icon

©2018 by Flavia Andrade