• Flavia Andrade

Rodrigo Maia vem solicitar apoio aos Deputados Federais para presidência da Câmara

Atualizado: 29 de Jan de 2019

Buscando apoio para a reeleição a presidência da Câmara, Rodrigo Maia destaca principais tópicos da reunião em MS



Buscando apoio para a reeleição a presidência da Câmara, Rodrigo Maia destaca principais tópicos da reunião em MS (Divulgação)

Durante entrevista coletiva cedida na sala de desembarque do Aeroporto Internacional de Campo Grande, o Deputado Federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), destacou a vinda dele para o Mato Grosso do Sul, Segundo Maia, “Vim para conversar com o governador Reinaldo Azambuja e os deputados federais de Mato Grosso do Sul, para discutir a Câmara dos Deputados, a conjuntura do Brasil, porque a agenda da Câmara e do Senado impacta interesse de governos e prefeitos também”.


Questionado sobre a avaliação referente aos ministros do Democratas no Governo Bolsonaro, “São dois grandes nomes, foram escolhas pessoais do presidente, não foram escolhas do partido, porém, a Tereza Cristina na área do Agronegócio e o Mandetta pela experiência que tem e pela passagem que teve na Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande, tem condições de fazer um trabalho em uma pasta tão importante para a população brasileira que é a pasta da saúde. Essa presença fortalece o partido DEM no Estado, querendo ou não você sempre tem do seu Estado a experiência para levar ao resto do Brasil, ajudando e fortalecendo o trabalho do partido no Estado”, aponta.


Entre os assuntos tratados durante a reunião, Rodrigo Maia aponta “A própria reforma da previdência é uma pauta que interessa a todos os Estados, a discussão da reforma do Estado Brasileiro como um todo. Hoje o governo federal fica com a maior parte das receitas e por ter déficit tanto previdenciário quanto fiscal, acaba que ele repassa muito pouco, então quando você reorganiza as agendas, as despesas do governo federal, você acaba gerando condições para que sejam discutidas em um segundo ponto o novo pacto federativo. Essa é uma das demandas de todos, além de diversos outros temas, como a Lei Kandir, onde os Estados abrem mão da receita, entre outras questões específicas de cada Estado, que são colocados em pauta”.


Caso seja reeleito, “Acredito que a reforma da previdência seja a prioridade do País, para que possamos ter investimentos novamente, o investidor tem que ter a segurança de que o Brasil não vai correr o risco de ter uma moratória daqui a 4 ou 5 anos, e segundo justiça social, hoje o sistema previdenciário beneficia quem ganha mais em detrimento de quem ganha menos, apesar de muitos sindicatos nas campanhas falarem que as reformas vão acabar com as previdências, muito pelo contrário, a previdência precisa ser modificada, porque hoje, o brasileiro que ganha um salário mínimo se aposenta com 65 anos, 70% deles já recebem um salário mínimo no regime geral, e como eles só se aposentam com 65 anos, naturalmente ele financia no sistema de repartição aquele, principalmente do serviço público que se aposenta com menos de 65 anos, porque esse vai para casa mais cedo. Então é uma inversão de valores, dos que ganham menos para os que ganham mais, então só essa justiça social já vale a pena fazer a reforma, fora claro, o fato de equilibrar o sistema para que todos possam receber sua aposentadoria no médio e longo prazo”.


Após o fechamento de quatro escolas estaduais, Reinaldo Azambuja é questionado sobre decisão do Poder Judiciário de mandar reabrir as unidades e diz que, “Vamos recorrer da decisão, uma vez que a decisão do fechamento das escolas é que nos últimos dez anos perdemos aproximadamente 45 mil alunos, e a cada ano, a rede estadual perde alunos. É uma reorganização do Estado, vai acontecer este ano e nos próximos anos, temos que fazer uma readequação, estamos mudando os alunos para escolas que estão a 100 metros de distância, então não vai afetar o aluno. Não podemos deixar uma escola funcionando se a 100 metros temos outra que atenda aquela quantidade de alunos. Espero que o Poder Judiciário analise profundamente essa questão dos alunos, porque estamos realizando racionamento de custos, para que possamos trabalhar fornecendo melhor condições de educação. A indicação é começar o ano com o maior número de aluno possíveis, porém, durante o ano, temos a redução de alunos, evasão para escolas particulares”, aponta.


Com relação a economia com o fechamento das escolas e mudança por técnicos, “é racionalização não é economia em si, se você teve uma diminuição de dez mil alunos, não comporta manter duas escolas se uma delas atende todo o número de alunos. É otimizar os recursos, é uma questão de racionalidade, a cada ano diminui o número de alunos, o número de natalidade diminuiu, e isso é uma questão nacional. Com os recursos podemos capacitar os professores e melhorar o atendimento aos alunos. Com relação a aula a distância é uma metodologia que vem sendo utilizada e vamos experimentar, vamos aumentar a oferta de escola em tempo integral, com certeza melhorando o aprendizado dos alunos da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul”.


Agenda extensa em reuniões buscando tratativas e mudanças para MS, Reinaldo Azambuja destaca, “Temos uma agenda com o Ministro Chefe da Casa Civil, Ministro dos Transportes para discutir ferrovias e portos, Tesouro Nacional para captarmos financiamentos para obras estruturantes, uma reunião com a Tereza Cristina Ministra, com o Ministro Mandetta para equipamentos do Hospital Regional que estamos construindo e queremos discutir com o Governo Federal. Então é uma agenda extensa, temos uma agenda na Câmara Federal, recebemos hoje o Rodrigo que está em campanha para a Câmara, e temos uma pauta com ele que interessa a todos nós que é a Reforma da Previdência, Lei Kandir, Pec das Precatórias, que serão discutidas com as duas casa, tanto a Câmara quanto o Senado”, conclui.

1 visualização

067996110911

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram Social Icon

©2018 by Flavia Andrade